26 de agosto de 2009

COFEE BREAK

Boas, caros leitores.

Passo a apresentar a minha primeira rubrica – Cofee Break.
Porquê este nome?

Café! Tomo todos os dias e por acaso os meus pais até têm um Snack-Bar!

É no café que se ouvem as maiores barbaridades, a todos os níveis! Desde política comentada por labregos, à vida privada das pessoas pelas maiores cuscas da terra!

A situação de hoje foi deveras caricata.
Estava eu num afamado café/gelataria cá do meu vilarejo quando me deparo com uma vista deslumbrante:

Mesmo em minha frente, tapando a fachada da Câmara Municipal, estava estacionada, se a palavra se adequa, uma carroça de cavalos. Os coitados dos animais estavam ali de pé, e estão (há semanas!) e vão continuar (por semanas!).

Além de pouco estético, torna-se desconfortável até, ver os pobres dos animais todos os dias no mesmo sítio, ao sol, enquanto o dono, um senhor de idade, vestido a rigor, aguarda na esplanada, que algum turista dê uns trocos em troca de uma viagem pela vilazita – capital europeia dos dinaussáurios!

Verdade é que até o café me deixou azia!

3 comentários:

taniah disse...

Não resisto!!! "carroça de cavalos"?!?!?! (gargalhada) a isso chama-se charrete (para pobres... para ricos: carruagem)!!! Entende-se sempre que uma carroça é de burros ou mulas ou burras, nunca de cavalos!! Não nesse termo!! Aprende!!!

Bem continuando...

... para esse tipo de atitudes não há muito a dizer; infelizmente enquanto o dono se refresca com a sua "bjeca" no café lá da terra, os pobres animais além de não terem sombra também não têm água e quer o tempo esteja quente ou abafado ou resfriado, um abrigo, seja ele qual for e porquê, é sempre um bem essencial.

Depois, para nós, espectadores inactvios, choca-nos tanto essa cena "banal" quanto a da srª que vai na rua com o seu salto agulha, os seus óculos channel, a tresandar a cremes e a maquilhagem e áqueles produtos de salão de cabeleireira, com o seu casaco de pêlo e sapato de pele caríííssimo... com o cãosinho ao colo e a criança, que supostamente será filho/a, a berrar para que ela a oiça que o colo é dela e não do cãosinho que mais parece que apanhou um choque eléctrico do que do seu tratamento de beleza semanal!

miguel disse...

Pois é priminha =P

Apanhaste-me!! Mas fica sabendo que para mim é tudo igual..


Charrete, carroça, ou qualquer outra denominação são equivalentes.

Já dizia Alberto Caeiro que conceitos cria o Homem. Importante não é o nome que se dá ao objecto, mas sim a impressão causada pelo objecto no indivíduo! =D ahahaha

rúben leitão disse...

miguel,

obrigado pelas palavras ao blog...estarei atento às palavras que traduzem os teus momentos, as tuas conquistas...

um abraço,
rúben leitão